Reciclagem IRATA

Oque faço se concluir meu  curso  e não exercer ? ?

Essa é uma das muitas perguntas que recebemos todos os dias, então vim esclarecer esse assunto para vocês.

Se os Profissionais de acesso por corda não usarem técnicas de acesso por cordas por um período maior que 6 meses , devem  avaliar as suas competências antes do início de funções operacionais. Cursos de reciclagem em técnicas específicas podem ser necessários e a quantidade de supervisão operacional necessária pode ter de ser ajustada, dependendo do resultado da Avaliação de risco.

Se os Técnicos de acesso por corda não trabalharem ou usarem métodos de acesso por cordas durante um período superior a seis meses, são obrigados a passar por cursos de reciclagem. Esta Reciclagem deve ser apropriado para cada indivíduo e deve ser registado no seu Log book. Re-Treinamento:

a) deve ser realizado por um Técnico de acesso por corda Nível 3;

b) não deve ser realizado durante tarefas operacionais;

c) pode envolver a necessidade de passar por um treinamento integral.

 

Se você estiver com alguma duvida em relação ao curso IRATA deixa nos comentários 😉

 

 

 

Guia rápido: Passagem para nivel 2 ou 3 IRATA

Passagem para nível 2 ou 3  IRATA

Os candidatos que pretendem passar para um nível superior devem ter experiencia em todas as exigências praticas e teóricas do seu nível atual antes da frequência deste tipo de qualificação, por exemplo um nível 1 que deseja a qualificação nível 2, deverá ser capaz de realizar todas técnicas de nível 1 e responder questões de teoria nível 1, antes do inicio de um treinamento de nível 2.
Os candidatos que não sejam competentes no seu nível atual podem requerer treinamento adicional. Como há tão pouco tempo disponível em cursos de atualização para cursos de renovação, recomenda-se uma pré-Avaliação para verificar o nível atual de competência dos candidatos.

Os candidatos que pretendem passar de nível devem assegurar que:

– A sua certificação IRATA atual ainda é valida no dia da avaliação;
– Têm os necessário de experiencia e horas de trabalho comprovada através do documento de registro de acesso por corda ( log book ) preenchido e assinado por um nível 3.

  •       Nível 2  Ensino fundamental completo

Possuir experiencia superior a 24 meses e 100 horas, desde sua primeira certificação de nível 1 assinada por um profissional     nível 3.

  •   Nível 2 Ensino médio completo

Possuir experiência superior a 12 meses e 1000 horas, desde sua primeira certificação do nivel 1 assinada por um profissional     nivel 3.

  •  Nível  3 Ensino médio completo

Possuir experiencia superior a 30 meses e 2500 horas, desde sua primeira certificação do nível 2 assinadas pelo empregador.

 

Os profissionais de acesso por corda que se encontram a revalidar a sua certificação devem mostrar os seus log books originais á empresa membro IRATA no início do treinamento e portar durante a avaliação de qualificações. Quando os profissionais de acesso perdem seus log books, devem pedir a sua substituição a fim de ser emitido um novo, concluído e verificado antes da avaliação.

 

fonte: TACS

 

Gostou compartilhe : )

Como fazer uma inspeção detalhada dos equipamentos de acesso por corda. Confira!

É recomendado que uma inspeção detalhada dos equipamentos de acesso por corda seja registrada.

A inspeção detalhada e as informações registradas devem levar em consideração as recomendações do fabricante e o ambiente de trabalho.  A documentação devem ser mantida por pelo menos dois anos, ou mais, caso seja exigido pela legislação local. Estes registro devem incluir ao menos o seguinte:

  • O nome e endereço do empregador para a qual inspeção detalhada foi realizada;
  • O endereço das instalações nas quais a inspeção detalhada foi realizada;
  • Informações que sejam suficiente para identificar o equipamento (ex: um número de série), incluindo sua data de fabricação, quando esta for conhecida.

As seguintes datas:

  • Primeiro uso;
  • Ultima inspeção detalhada;
  • A data mais recente para a próxima inspeção detalhada;

De acordo as indicações feitas no equipamento e/ou informações fornecidas pelo fabricante, a carga nominal máxima ( e minima, quando adequado) ou sua carga segura de trabalho ou limite de carga de trabalho ou equivalentes, levando em consideração as configurações nas quais o equipamento possa vir a ser utilizado, que também pode ser aceitáveis por parte do fabricante;

Caso seja a primeira inspeção detalhada:

  • Especificar que esta é a primeira inspeção detalhada;
  • Declarar que o equipamento funciona corretamente e é seguro para a utilização;

Caso não seja a primeira inspeção detalhada:

  • Que ocorra dentro de  um intervalo de 06 meses;
  • Esteja de acordo com intervalos definidos por um programa de inspeções elaborado por uma pessoa competente e seguindo as orientações do fabricante;
  • Após utilização em um ambiente com condições severas;
  • Após a ocorrência de circunstâncias excepcionais passíveis de comprometer a segurança do equipamento;
  • Declarar que  equipamento funciona corretamente e é seguro para a utilização;

Em relação a cada inspeção detalhada, com referencia aos relatórios de inspeção detalhada anteriores:

  • A identificação de qualquer peça defeituosa que seja ou possa se tornar um risco para as pessoas;
  • Detalhes de qualquer reparo, renovação ou alteração necessária para solucionar um efeito que representa um risco para pessoas;
  • Em caso de defeito que ainda não representa um risco, mas pode vir a se tornar um risco para pessoas;
  • Instruções para técnicos e supervisores de acesso por corda para monitorar o defeito de perto durante a verificação prévia ao uso;
  • A data mais recente para a próxima inspeção detalhada( No caso de um equipamento que possui um defeito que ainda não representa, mas pode vir a se tornar um risco, as inspeções detalhadas podem ser mais frequentes do que o normal);
  • Onde a inspeção detalhada incluir testes, os detalhes de qualquer teste:
  • Data da inspeção detalhada;

O nome, endereço e competência (ex: ter participado e recebido aprovação em um curso de treinamento do fabricante) da pessoa que elaborou o relatório; se esta pessoa é autônoma ou, caso seja empregada, o nome e endereço do empregador.

O nome e endereço da pessoa que assinou e autenticou o relatório em favor do seu autor;

A data do relatório.

 

 

 

Fonte: IRATA.org

 

Acesso por cordas. Você está apto para esta profissão? Confira!

O trabalho em altura exige que o individuo tenha atitude, aptidão, capacidade física e treinamento adequado.  Portanto, alguma forma de exame é necessária para avaliar adequadamente todos os possíveis candidatos.

É importante que sempre se possa contar com um comportamento sensato e responsável por parte dos técnicos.  Os técnicos em acesso por cordas devem ser suficientemente saudáveis e livres de qualquer deficiência que possa impedi-los de trabalhar com segurança em altura.

Contra indicações incluem:

  • Doença cardíaca/dores no peito;
  • Pressão sanguínea alta ou baixa;
  • Epilepsia, convulsão, perda de consciência;
  • Medo de altura/vertigem;
  • Tontura/problemas com equilíbrio;
  • Deficiência funcional dos membros;
  • Dependência de álcool ou drogas;
  • Enfermidade psiquiátrica;
  • Obesidade;
  • Diabetes.

 

É de responsabilidade dos trainees ou de seus empregadores garantir que ele esteja em condições físicas e médicas para realizar o treinamento em acesso por corda.

Os Funcionários tem como responsabilidade com seus empregadores e seus próprios colegas de trabalho notificar quais quer mudanças em sua condição medica ou física que possa vir a afetar o seu trabalho. Isto inclui os efeitos de álcool ou drogas.

Aos técnicos em acesso por corda devem ser dada a oportunidade de não trabalhar em altura caso eles não estejam se sentindo apto para realizar  tal tarefa.

 

Experiencia, atitude e aptidão

Todas as pessoas que trabalham em altura precisam ter pelo menos formação elementar em relação aos diferentes métodos de proteção contra queda( ex: proteção contra queda, restrição de trabalho, sistema com redes de segurança, bolsas infláveis, plataformas de trabalho elevatórias moveis) alem das metodologias necessárias para o acesso por corda.

A avaliação para saber se uma pessoa se adapta ao trabalho de acesso por corda exige que se leve em consideração sua experiencia previa de trabalho. As referencias devem ser recolhidas a fim de verificar a experiencia e os níveis de competência. Os empregadores devem levar em consideração a experiencia comercial e as atividades relevantes, para garantir a utilização de ferramentas e equipamentos.

Os empregadores devem procuram assegurar que os técnicos em acesso por cordas, incluindo os trainees, alem da sua qualificação IRATA Internacional e/ ou IRATA Brasil, tenham também atitude e aptidão adequadas essas incluem:

  • Uma mente apta para trabalho em altura
  • Habilidade natural ou em potencial para o trabalho com acesso por corda;
  • A habilidade de trabalhar em equipe;
  • Uma atitude responsável em relação a segurança;
  • Um desejo de aperfeiçoar suas habilidades;
  • Um padrão de comportamento profissional.

 

Eai, esta preparado para uma das profissões mais cresce no país? comente o que você achou e compartilhe com seu amigos!  🙂

Como preencher suas experiencias de trabalho no seu log book

O objetivo do Log book  é manter registro de experiencias de trabalho e formação do técnico, incluindo as horas totais envolvidas em acesso por cordas, o tipo e variedade de trabalhos realizados´e quando form realizados.Os técnicos de acesso por corda que desejam atualizar para o nível 2 ou 3 não podem ser considerados para avaliação em uma correta manutenção e atualização do respectivo Log book.

 

Como preencher suas experiencias de trabalho no seu log book

 

Data, o Trabalho deve ser registrado no log book , nunca deixe passar mais de duas semanas. Sempre que os tecnicos de acesso por corda trabalharem em mais de uma atividade num só dia, as tarefas devem ser registradas separadamente, caso não sejam similares.

Entidade empregadora, deve ser registrado o nome da empresa em que o técnico está a realizar o trabalho.

Detalhes da tarefa a ser realizada, tanto a natureza do trabalho e os métodos de acesso utilizados devem ser descritos, por exemplo:

  • Limpeza de janelas: descida em corda; montagem da base;
  • Instalação de redes anti-queda: escalada com assistência: amarração recuperável;
  • Inspeção de estruturas de aço: subida e descida em corda; escalada artificial; linhas esticadas.

Local, os técnicos de acesso por corda devem descrever brevemente o tipo de estruturam em que trabalham, como por exemplo:

  • Offshore plataforma XYZ, Mar do norte
  • Armazém com estruturas de aço, Londres
  • Pilha de descida; plataforma de petróleo, Mar do norte

Horas de trabalho

 Deve constar um reflexo preciso do tempo gasto diretamente em atividades de acesso por cordas a serem registradas. Alem do tempo passado na tarefa principal referido em detalhes da terefa a ser realizada, pode ser incluído o tempo gasto em montagens e em montagem de ancoragem, inspeção de equipamentos em acesso por corda  e com a caixa de ferramenta.

Não inclui o tempo gasto em outras atividades, como pausa para refeições, tempo a espera de autorização ou devido ao mau tempo. por esta razão as horas registradas são normalmente menos o que as que são pagas ou registradas no quadro de horários.

Altura máxima trabalhada, deve constar um registro preciso da altura máxima em que foi efetuado o trabalho em altura.

Assinatura do supervisor, todos os registros do log book devem ser assinados pelo técnico de supervisão e acesso por corda nível 3 que deve registrar seu nome (em letra de imprensa) assinar e incluir o número único de IRATA.

Total de horas para esta página, o total de horas nessa página deveram ser somadas e registradas.

Total de horas trabalhadas, horas transitadas da pagina anterior deverão ser adicionadas, veja o exemplo experiencia-de-trabalho

 

 

fonte: irata.org

6 Tipos de nós mais utilizados no acesso por cordas

Os nós são tipicamente utilizados para formar terminações em cabos de ancoragem têxteis e existem muitos nós que são adequados  para o uso de acesso por corda. Embora o nó reduz a força geral de uma corda( o que pode ser levado em consideração durante a escolha de uma corda), um beneficio é que eles absorvem energia. Alguns nós absorvem mais energia que outros.

É essencial que os técnicos em acesso por cordas possam ser capazes de amarrar, preparar e fixar corretamente uma gama dos nós mais utilizados e ter a confiança de que eles serão capazes de amarrá-los enquanto estiverem em circunstancia difíceis. No local de trabalho, os nós só devem ser amarrados por pessoas com um conhecimento meticuloso sobre o nó e técnica de amarração de nó.

Durante a escolha de um nó adequado, os técnicos em acesso por cordas devem levar em conta o seguinte:

1-suas próprias habilidades na amarração daquele nó em particular;

2-a adequabilidade do nó para a tarefa e aforma prevista na qual o mesmo será carregado, incluindo forças potenciais contempladas;

3-a redução de força no cabo de ancoragem, dispositivos passador ou passadeira de ancoragem que o nó cria;

4-a facilidade com qual o nó pode ser amarrado ou desamarrado;

5-quando necessário  a capacidade do nó em passar através ou por obstruções em potencial (ex:polias).

 

6 Tipos de nós mais utilizados no acesso por cordas.

1-Oito duplo

 2-Oito guiado

3-Nove

4- Borboleta alpina

5-Orelha de coelho

6-Nó de pescador

O oito duplo e oito guiado, são utilizados na confecção de cals stails

O oito duplo também tem grande utilidade em ancoragens rápidas( em que o técnico não pretende ficar muito tempo suspenso).

 Já o  nove, borboleta alpina e orelha de coelho, são utilizados para ancoragens equalizadas e o nó de pescador, utilizados no final da corda. 

 

Clique aqui e aprenda como fazer nós!

Qual o nó que você mais utiliza? deixe nos comentários.

 

 

 

 

 

fonte; irata.org

Como fazer a seleção do cinto adequado em 6 passos!

Imagine o desconforto que um cinto de acesso por corda pode causar:  pode ficar apertado causando câimbras ou folgado demais e causar assaduras, ou o conjunto do cinto pode não esta de acordo norma!  Listei a baixo 6 simples passos de como fazer a seleção do seu sinto de acesso por cordas. Confira!

  Os cintos devem ser capazes de suportar o usuário em uma posição confortável (ex: enquanto trabalha ou aguarda um resgate), enquanto permite uma operação livre de outros dispositivos no sistema. antes de utilizar um cinto pela primeira vez, o usuário deve efetuar um teste de suspensão em um local seguro para garantir que o cinto é confortável e possui ajuste adequado.

 

  Critérios de seleção para o Cinturão de segurança inclui:

1- A possibilidade de ajuste para o  tamanho e conforto do técnico em acesso por corda quando estiver usando um máximo ou um minimo de vestuário .

2- Capacidade para montante de suporte necessário, dependendo da pessoa e do trabalho a ser executado.

3-  Capacidade dos pontos de conexão do cinto para dispositivo de subida e descida, reserva e passadeiras de ancoragem.

4- A habilidade de conectar e trabalhar com assento

5- Resistência à degradação ultravioleta

6- Resistência à produtos químicos, desgaste e abrasão

 

OBS: Cinturão de segurança, dispositivo trava-quedas e talabarte de segurança devem pertencer a um mesmo modelo CA. (NBR-15836)

 

Gostou ? se foi útil para você pode ser para outros profissionais compartilhe 🙂

Você sabe a importância de um plano de resgate?”

 No inicio do dia você e sua equipe se prepara para mais um dia de trabalho, separa seus equipamentos, suas ferramentas, prepara seu sistema de ancoragem perfeito, se aborda e da inicio aos trabalhos, de repente você olha para o lado  e ver um membro da sua equipe desmaiado, o que fazer? como presta um resgate imediato?  É ai que entra a importância de um plano de resgate.

Antes de começar suas atividades faça uma analise dos riscos, crie um plano de resgate e deixe equipamentos disponíveis em fácil acesso, com amarrações e ancoragens adequadas para o resgate de pessoas.

Os técnicos de acesso por cordas devem ser treinados e capacitados para executar quais quer tarefa de acesso que seja necessária incluindo resgate e colegas de trabalho e só devem receber tarefas adequadas para seu nível de treinamento.

 


A equipe de trabalho deve ser capacitada para autoresgate e resgate da própria equipe NR35 ANEXO1 4.1

5 Motivos para ser um Profissional em Acesso por Cordas

5 MOTIVOS PARA SER UM PROFISSIONAL EM ACESSO POR CORDAS

Você já considerou adicionar acesso por cordas ao seu currículo?

Vou suponhamos que sim, afinal este é será um grande salto na sua vida profissional.

Talvez você esteja procurando uma sugestão de um grade diferencial na sua carreira profissional, e com certeza o acesso por cordas é a oportunidade que está procurando. Neste conteúdo, listei 5 motivos para você ser um profissional em acesso por cordas, confira!

 

Versáteis

Profissionais em acesso por cordas podem aplicar suas técnicas em uma ampla variedade de ambiente (plataformas de petróleo, refinarias, torres eólicas e muitos outros)

 

Custo-benefício

Em cerca de uma semana de treinamento, assim que avaliado pode se iniciar uma nova carreira, com menor tempo e investimento que um diploma ou curso técnico custaria.

 

Profissional competitivo

Com a vantagem de praticar suas atividades (soldagem, caldeiraria, pintura, inspeção e etc.) com segurança em altura, reconhecido nacional e internacionalmente (no caso de IRATA) sendo capaz de acessar espaços industriais de difícil acesso onde muitos outros profissionais não estão preparados para acessar.

 

Potencial líder, ou supervisor

Em especial níveis 2 e 3, os profissionais em acesso por cordas tem a competência para se tornar um líder de equipe (nível 2) e um supervisor de obras (nível 3).

 

Preferência das empresas

As empresas (Petrobras, Braskem e muitas outras) cada vez mais tem reconhecido o valor de investir em acesso por cordas para a inovação da companhia, relacionados à segurança e acesso extraordinário.

Além do acesso por cordas oferecer menor ou nenhum impacto ambiental no local de trabalho, oferecendo aos seus funcionários a capacidade de acesso remoto em lugares muito difíceis de alcançar, montagem de equipamentos rápidos e o método de trabalho em altura é incrivelmente de baixo custo em comparação com outras alternativas do mercado.

Conheça o Acesso por Cordas, uma forma Rápida e segura de Trabalhar!

O Que é Acesso por Cordas?

12963579_1025039937543301_792277914980449601_nsistema de acesso por corda da IRATA International é um método seguro de trabalho em altura, onde cordas e equipamentos associados são usados para obter acesso  ao local de trabalho.

A vantagem de usar métodos de acesso por cordas reside principalmente na segurança e rapidez com que os trabalhadores podem obter  para locais difíceis e, em seguida, realizar o seu trabalho, muitas vezes com um impacto mínimo sobre outras operações de área nas proximidades. Outro grande benefício é que a combinação do total de horas de trabalho e o nível de risco para uma determinada tarefa  é frequentemente reduzido quando comparado com outros meios de acesso e seus riscos associados e custos.

O objetivo principal ao utilizar métodos de acesso por corda é planejar, gerenciar e realizar o trabalho com acidentes mínimos, incidentes ou ocorrências perigosas, ou seja, para garantir um sistema seguro de trabalho é mantida em todos os momentos, e sem danos à propriedade ou dano ao o ambiente.

IRATA International tem em prática um regime constante evolução dos procedimentos de trabalho que os membros são obrigados a seguir e que são monitorados pela conformidade para garantir que um sistema de trabalho seguro é estabelecido e mantido. Isso define empresas associadas IRATA internacionais para além de empresas de acesso por cordas que não estão sujeitos a um esquema tão rigoroso.

 

Fonte: irata.org